quarta-feira, 1 de junho de 2016

Bran




Significa "corvo" em irlandês. Na mitologia celta Bran era o gigante que nenhum palácio ou navio podia abrigar e que tinha prazer em batalhas e carnificinas. Era filho de Lir (ou Llyr) e uma mulher mortal. Atravessou a vau o mar Irlandês e levou os gigantes de Gales para invadir a Irlanda. Estendido sobre um rio, o seu corpo gigantesco serviu de ponte para o seu exército passar. Possuía uma caldeirinha mágica onde ressuscitava os mortos.

Harpista e músico, era o protetor dos Bardos e dos Fili. Rei das legiões infernais, lutou para defender os tesouros mágicos que o filho de Don queria roubar. Ferido por uma flecha envenenada, ordenou que lhe cortassem a cabeça a fim de abreviar o seu sofrimento; esta cabeça decepada continuou a conversar e a dar ordens durante 87 anos, tempo necessário para o seu transporte até à sepultura, numa colina de Londres.

A cabeça cortada de Bran, voltada para o sul, prevenia a ilha de todas as invasões, mas o rei Artur, imprudente, mandou exumá-la tornando assim possível a conquista da Saxónia. Associado aos corvos, Bran é o Deus das profecias, das artes, da guerra, da música e da escrita.

É também o nome utilizado para o personagem Bran Stark, dos livros de George R.R Martim, “Crônicas de Gelo e Fogo”, que foi adaptada para uma série da HBO, “Game of Thrones”. No estado de São Paulo, na lista da Arpen/SP, 2015, teve um registro de Bran, talvez inspirado na série. 


Fonte:

Bran. Mitologia Celta.