segunda-feira, 9 de novembro de 2015

Cereja

.


A foto acima quase dispensa o texto: acho essa moça com muita cara de Cereja. Sim, Cereja, não como apelido, mas sim como nome próprio. No momento que Amora passou a ser usado como nome próprio, passei a considerar automaticamente a possibilidade de outras frutas terem sonoridade e características adequadas para nomear uma pessoa.

É muito óbvio que não tem como uma pessoa se chamar Melancia ou Abacaxi. Pelo menos não na nossa língua portuguesa. Mas tal como Amora, outras frutas podem vir a se tornar usáveis: Framboesa, Cereja, Pitanga, me parecem bastante apropriados para quem se sente atraído por nomes hippies. 

Tecnicamente, a Cereja é o fruto da Cerejeira, que são espécies originárias da Ásia, algumas que dão frutos comestíveis, outras produtoras de madeira. Nem todos os frutos das espécies de cerejeira são comestíveis. 

Como sendo uma espécie asiática, ela está presente na cultura e simbologia japonesa. A Cereja, chamada de Sakura pelos japoneses, era associada ao samurai, cuja vida era tão efêmera quanto a da flor que se desprendia da árvore. 

Já o fruto tem o significado de sensualidade. Por seu vermelho intenso e maduro, a Cereja suculenta é talvez o exemplo mais proeminente. O suco de cereja madura é de tão intenso sabor e cor que tem sido freqüentemente comparado ao primeiro gosto do amor. Na aparência, das cerejas têm sido dito que lembram os lábios de uma amante, e quando mordê-lo em uma cereja, o fruto dá a aparência de sangrar. 

Há muito tempo existe uma ligação erótica para o fruto da árvore de Cereja. Há um costume japonês, chamado hanami (literalmente: ver as flores) de ir aos parque contemplar as flores, especialmente a flor de cerejeira, na época de florescimento; Se você puxar da memória, verá que nos filmes infantis "Kung-Fu Panda", o tempo todo aparecem árvores de cerejeiras floridas. É possível um texto muito interessante sobre isso nesse link: Sakura, o Símbolo do Japão. 

Não só o Japão tem uma forte simbologia associada à Cereja, como também a Índia. Na Índia essa flor é considerada sagrada, e nas casas que tem essa flor sempre há prosperidade. No Ocidente, tem usado-se a tatuagem da cereja com vários significados conforme ela é representada, especialmente no que diz respeito à sensualidade.

Acho que tudo isso já é argumento suficiente para usar Cereja como nome próprio. Porém, ainda tem mais: Cereja tem uma sonoridade agradável quando pronunciado. Tem até mesmo uma remota semelhança com Teresa, em termos de sílabas e pronúncia. Consigo visualizar de uma forma muito simpática uma menina chamada Cereja e o melhor, sem nenhuma rejeição, estranhamento ou dificuldade. 

Para quem tem muita dificuldade com nomes literais em português mas está aí amando o significado (tenho certeza que sim), há a possibilidade de usar em outra língua. Separei aqui algumas palavras em outros idiomas que achei sonoras: Cereza (espanhol), Kirsikka (finlandês), Cerise (francês), Kerasiá (grego), Csereznyie (húngaro), Ciliegia (italiano), Kirsis (letão), Cires (romeno). Dessas, acho que o francês e o romeno são os mais usáveis por aqui, embora eu ainda prefira na língua portuguesa mesmo.

Após todos esses argumentos, se você é uma mãe/ um pai que gosta desse romantismo de batizar os filhos com nomes literais, Cereja pode sim passar a ser cogitado como uma das opções. 


Atualização:

Não há registros de Cereja no Nomes no Brasil (IBGE, Censo 2010), mas existem 184 pessoas chamadas Cerise. A maior parte nasceu em Alagoas na década de 60. 


By





.