quarta-feira, 24 de junho de 2015

Caíque

.

Quando falamos em nomes, temos dois grandes grupos bem definidos: o grupo dos nomes de origem no latim, grego, hebraico ou germânico, ou nomes com origens mais remotas porém clássicos (celtas, bretões, galeses, persas, etc.) com relação aos quais é possível colher dados para uma análise correta com certa facilidade. Porém, quando se trata de nomes indígenas, esbarramos na pouca fidelidade das fontes da Internet e na dificuldade de encontrar nomes nas raríssimas publicações de linguista que tratam deste assunto.

A grande maioria dos nomes que encontramos como origem indígena (na maioria deles, tupi), pode muito bem estar relacionada a uma etimologia falsa: é fácil inventar um nome indígena com a terminação “ira” ou “ara”, dizer que é indígena e criar qualquer significado que agrade aos possíveis pais sedentos por um nome com significado fofo e simbologia indígena para seus filhos. 

É possível citar dois exemplos bem recorrentes disso: Iracema, a virgem dos lábios de mel, do clássico romance de José de Alencar, não é um nome indígena: é sim, um anagrama de América, criado pelo autor para parecer indígena. Ele foi feliz na sua criação: O elemento tupi “ira” geralmente está relacionado a mel, e a terminação -ema é encontrada no recorrente nome indígena Moema, ou ainda, em Apoema. No outro exemplo, os roteiristas responsáveis, na ocasião da minissérie A Muralha(baseado no livro de Dinah Siqueira de Queiroz) inventaram o nome Moatira para o papel interpretado por Maria Maya. O nome não é indígena e não existe, mas ficou bem "apresentável' como indígena. 

Acabou virando moda: Pega-se um nome qualquer inventado com as terminações e sufixos tipicamente indígenas inspirados nos nomes (realmente) indígenas, e quem poderá contestar, já que há pouquíssimos estudos em relação a isso, e a língua tupi é considerada morta? 

Caíque é um exemplo disso: originalmente um apelido para Carlos Henrique (O ator brasileiro Caíque Ferreira chamava-se Carlos Henrique), acabou “ganhando” uma origem indígena e um significado lindo: ave aquática. Quem poderá afirmar com total certeza se as fontes de pesquisa confiáveis são absolutamente escassas? 

A única obra razoavelmente completa é o Dicionário Tupi Antigo – A Língua Indígena Clássica do Brasil, de Eduardo de Almeida Navarro (e colaboradores). Ele é considerado o maior especialista em tupi-antigo ou tupinambá e seu dicionário é, sem dúvidas, a melhor fonte a ser consultada se o assunto é vocabulário do tupi-antigo. Ainda assim, o tupi não era a única matriz de língua indígena existente no Brasil: no Rio Grande do Sul, por exemplo, habitam os indígenas Kaingang, que possuem outro idioma totalmente diferenciado do tupi. 

É lamentável que essas línguas estejam desaparecendo antes de ser devidamente documentadas. Infelizmente, os linguistas brasileiros não fizeram sua lição de casa. 

Portanto, a versão oficial ainda é que Caíque seja um nome elaborado a partir da junção de Carlos Henrique. Porém, quem poderá afirmar – do alto de nossa escassa sabedoria sobre fontes indígenas – que Caíque não significa ‘ave aquática’, como querem os editores responsáveis pelo site Baby Center Brasil e os responsáveis por vários sites de significados de nomes?

Não é, mas bem poderia ser. 

Encontramos duas palavras de origem indígena que se assemelham a Caíquecaico(pequeno barco a remo utilizado nas pescarias) e Caicó (o nome de um município brasileiro pertencente ao Rio Grande do Norte). 

Em relação à palavra “caíco”, que designa o barco, podemos encontrar a ligação com a água, talvez tenham passado a denominar o barco a partir da referência em alguma determinada ave aquática. Mas ainda assim, isso estaria a uma enorme distância de considerar Caíque um termo para “ave aquática”. 

E em relação ao nome do município, encontramos as seguintes explicações no site Wikipédia:
“Existem várias versões sobre a origem e adoção do nome do município de "Caicó". No dicionário da língua tupi-guarani, Lemos Barbosa diz que a palavra Caicó deriva da língua cariri e que significa "mato ralo". Acredita-se que a região fosse habitada pelos índios caiacós, da família dos cariris e que os mesmos denominaram a região de Cai-icó, que significaria "macaco esfolado" por causa dos serrotes pelos quais a vegetação era desmatada.
Segundo o pesquisador Olavo de Medeiros Filho, o topônimo vinha de uma ave agourenta, comedora de cobras e que havia em abundância no curso d'água que passava próximo a casa-forte do cuó, chamado rio Acauã. Os topônimos "acauã" e "cuó" seriam sinônimos, sendo a primeira forma em tupi e a segunda em tarairiu e ambas as formas designavam o pássaro que dava nome ao rio e à região. Considerando a partícula "quei" como sendo "rio", rio Acauã seria o mesmo que "Queicuó", posteriormente Caicó.
Outra versão é defendida por Câmara Cascudo, que refere sua gênese a partir dos termos "Acauã" e "Cuó", que servem à designação de acidentes geográficos (rio e serra, respectivamente). "Acauã" pertence à língua Tupi e "Cuó", ao dialeto dos tapuias e tarairius. Tais tribos ainda identificavam o rio pelo termo "quei", o que sugere que Caicó seja uma corruptela de "Queicuó", o mesmo que rio do Cuó. Tal teoria desmistifica a lenda que relata a existência de uma tribo chamada caiacós (citada anteriormente), pois não há registro histórico que comprove a existência dessa tribo na região”.


Se formos considerar a semelhança das palavras “caíco” (barco) e Caicó (município) com Caíque, e fazermos uma abstração muito grande em torno disso, talvez possamos com muito esforço visualizar a relação indígena com o nome.

Depois disso tudo, a princípio, prevalece a questão do “apelido” de Carlos Henrique.

Para finalizar, é importante frisar que no Brasil trata-se de um nome razoavelmente comum na geração atual. Está na 78ª posição no Ranking anual do Baby Center Brasil 2014 embora tenha caído dezessete posições em relação a 2013. Em São Paulo, foram registradas várias grafias do nome, que podem ser exploradas na tabela abaixo, ao lado de seu número de registros:


Nome:
    Qtd:
Kaique
857
Kayque
173
Caique
144
Kaike
87
Kayke
75
Kaiky
67
Kayky
44
Kaik
26
Kayk
25
Caíque
19
Kaic
18
Kaíque
16
Caike
12
Fonte: ARPEN/SP (2014)



By




.